Desconstruindo a noção mediática de autópsia

Desconstruindo a noção mediática de autópsia

                                                                 Por: Bruno Rocha

A mídia que em tese tem por finalidade a prestação de um serviço público que no caso seria a divulgação de dados e informações ao público, na prática, a sua finalidade primordial como empresa privada é a máxima obtenção possível de lucros, e isso faz com que o maior prejudicado seja o público, na medida em que não dispondo de mecanismos eficazes de controle da qualidade do trabalho exercido pelos profissionais dos seus variados orgãos, faz com que muitas vezes estes falem e escrevam sobre determinados temas desconhecendo os termos técnicos adequados fazendo com que a sociedade que também os desconhece os incorpore e passe a utilizál-os de forma errada.  O termo autópsia que é o que nos interessa nesse ensaio, é utilizado de forma errada pela mídia e consequentemente pela população que a escuta nesse orgão.

Estamos habituados a escutar nos meios de comunicação o termo autópsia normalmente para designar um exame a um cadáver para determinar a causa da sua morte, porém tal designação está errada, pois uma autópsia seria um auto-exame, pois como sabemos o prefixo auto-significa em si mesmo, enquanto que psia é uma expressão que significa exame, logo autópsia não poderia designar um exame num cadáver, porque se a pessoa já se encontra morta não poderá se auto-examinar. A expressão adequada para um exame num cadáver é necropsia, pois o prefixo necros significa morto, logo o termo mais adequado para designar um exame num cadáver para determinar a sua morte é necropsia e não autópsia.

 

 

publicado por brpalavrassoltas às 18:40