Posicionamentos religiosos em relação ao aborto

Posicionamentos religiosos em relação ao aborto

                   Por: Bruno Rocha

 

 

 

Apesar de Cabo Verde ser um estado laico, onde todas as religiões são aceitas em pé de igualdade, a maioria da população é católica. Tal posicionamento religioso interfere muitas vezes nas decisões destes com relação a assuntos que são considerados tabus para o catolicismo, nomeadamente, questões ligadas á sexualidade e ás pesquisas com células tronco. No que diz respeito ao nosso país, nas questões ligadas á sexualidade, mais precisamente ao aborto, as opiniões são divididas, sendo que muitas das contrárias têm sua gênese no direito á vida defendido pelo catolicismo. Porém é necessário também saber que nem todas as religiões condenam o aborto, deitando por terra desde as opiniões daqueles que generalizam o posicionamento católico para as outras religiões para assumirem assim as suas posições. Em Cabo Verde as duas correntes religiosas com mais expressão são o catolicismo e mais recentemente o que vem ganhando força o islamismo, devido à grande quantidade de imigrantes oriundos da costa ocidental africana, onde a corrente tem maior expressão. Para o catolicismo, portanto, como já havia dito anteriormente, o aborto é condenado por entenderem que a vida começa com a fertilização do óvulo pelo espermatozóide formando deste modo um ser humano pleno e não um ser humano em potencial, ou seja, a igreja católica protege a vida desde a sua concepção; já para os muçulmanos O início da vida acontece quando a alma é soprada por Alá no feto, cerca de 120 dias após a fecundação. Mas há estudiosos que acreditam que a vida tem início na concepção. Os muçulmanos condenam o aborto, mas muitos aceitam a prática principalmente quando há risco para a vida da mãe.Outras correntes que também divergem com o catolicismo em relação ao aborto, e que tem pouca ou nehuma expressão no arquipélago são, o judaismo, onde se entende que a  vida começa apenas no 40º dia, quando acreditam que o feto começa a adquirir forma humana;antes desse perído, a interrupção da gravidez não é considerada homicídio. Dessa forma, o judaísmo permite o aborto quando a gravidez envolve risco de vida para a mãe ou resulta de estupro;o budismo, onde se entende que a  vida é um processo contínuo e ininterrupto. Não começa na união de óvulo e espermatozóide, mas está presente em tudo o que existe – nossos pais e avós, as plantas, os animais e até a água. No budismo, os seres humanos são apenas uma forma de vida que depende de várias outras. E por fim o hinduismo onde se entende que vida começa com a fecundação entre a alma e a matéria, e por possuir uma alma o embrião deve ser tratado como humano. Na questão do aborto, hindus escolhem a ação menos prejudicial a todos os envolvidos: a mãe, o pai, o feto e a sociedade. Assim, em geral se opõem à interrupção da gravidez, menos em casos que colocam em risco a vida da mãe.

 

 

 

publicado por brpalavrassoltas às 16:56